monst 19.jpg

CONCEPÇÃO|TEXTO|INTERPRETAÇÃO Andresa Soares e Lígia Soares

MÚSICA João Lucas

FIGURINO ANDRESA João Paulo Assunção

FIGURINO LÍGIA Sara de la Féria

ESPAÇO CÉNICO Sara de la Féria

PRODUÇÃO Máquina Agradável

Depois de outras colaborações em equipa, as duas autoras começaram a alimentar entre si (talvez pela sua excessiva convivência) uma suspeita de monstruosidade.

De igual modo desconfiadas pela apatia que as rodeia, alimentada principalmente por uma generalizada necessidade de segurança, elas só podem acreditar que algures se esconde algo a temer ou esta necessidade de segurança seria ela própria uma aberração - A existência vagamente humana numa vida sem alma, um trajecto por esse limbo que não é vida e também não é morte.

Neste espaço entre a crença e a razão, movidas pelo medo ou pelo tédio, o facto é que se impõe o passo para o desconhecido, o salto no abismo. Como resposta a estes sinais, as autoras decidem assim criar, em vez de um projecto, um presságio e, em vez de um espectáculo, uma  atracção de feira, acreditando que chamar as coisas pelos nomes pode vir eventualmente a quebrar este encantamento.

“A fronteira para além da qual se desintegra a nossa identidade humana está traçada dentro de nós e não sabemos onde”. José Gil in Monstros