imagem civilização.jpeg

Texto e encenação: Lígia Soares Assistência de Encenação: Mia Tomé Interpretação : Lígia Soares, Gonçalo Plácido, Mia Tomé e Rui Pina Coelho Música original: João Lucas com a participação especial de Orquestra dos Pequenos Violoncelos do Conservatório de Lisboa Luz: Manuel Abrantes Apoio financeiro: Programa de Apoio a Teatro da Fundação GDA 

Apoios à criação: 23 Milhas-Ílhavo , Polo Cultural da Gaivotas - CML e Primeiros Sintomas

CIVILIZAÇÃO aborda o espaço teatral e a representação como elementos criados para nos substituirmos a nós próprios e à nossa ação refletindo sobre a passividade do espectador.

Esta problemática cria constantes analogias e denúncias relativas a essa passividade perante aspetos do mundo, e incorpora, através da personagem “atriz”, a vã pretensão de mobilizar o espectador para sair do espaço de representação, e finalmente agir. 

“Eu deixo-me aqui quietinho a contemplar o que conseguir entre os arrepios de frio que me desconcentram e evitam pensamentos mais longos e, por isso, mais articulados e, logo, mais perigosos, pois sabe-se lá onde é que este espaço para pensar nos pode levar.

Ativismo ou depressão, de uma delas não nos safamos.

Pois, precisamente, é preciso manter o ser humano ocupado com as suas considerações fisiológicas ou ainda vamos ter de nos levantar daqui.”

 

Lígia Soares (2016) “Civilização” 

PEÇA PUBLICADA PELA DOUDA CORREIRA EM 2019