araovento3.jpg

Nos meus trabalhos, onde as disciplinas da dança e do teatro entram normalmente em furiosa competição, às vezes começo por escrever para depois criar e encenar movimento, outras começo por criar movimentos ou acções, para finalmente escrever uma peça.

Desta vez, comecei por sentar-me a escrever.

E no desejo de este texto se vir a tornar uma peça de teatro, sentei-me à frente do computador como quem se senta à frente do público, perturbada pela expectativa que essa ideia despoletou em mim escrevi:

Bom, eu suporto sentar-me aqui à vossa frente, mas isso deve-se à minha enorme capacidade de abstracção(...)

Este projecto a solo procura assim anular a representação, no sentido em que todos os acontecimentos em palco são consequências reais de um processo alimentado por uma relação de expectativas. E a expectativa em si, não esperando nada em concreto, revela-se no entanto um pugente impulsionador de discurso.

*Esta peça inclui versões em português, inglês, francês e alemão.

CONCEPÇÃO|TEXTO|INTERPRETAÇÃO Lígia Soares

VERSÃO EM INGLÊS E PORTUGUÊS Lígia Soares VERSÃO EM FRANCÊS Thierry Decottignies LOCUÇÃO Inês d'Almey

VERSÃO EM ALEMÃO Robin Detje LOCUÇÃO Anja Behrens

MÚSICA excerto de musique pour cordes, percussion et celesta, Béla Bartók , Detroit symphony, A. Dorati

PRODUÇÃO Máquina Agradável  

 

APOIOS GDA- Gestão dos Direitos dos Artistas (apoio à residência) e Instituto Camões